Aydano Roriz

Escritor de romances
Novels author

Ele escreveu / He wrote:

Obras Disponíveis no Brasil

O Jardineiro das Estrelas
O Jardineiro das Estrelas

“Espírito vem do latim, spirito, e significa ‘força vital’. Espíritos não são sólidos ou líquidos. Talvez sejam gasosos. Não sei. Uns dizem que o espírito fica alojado no cérebro, outros no coração ou mesmo no corpo inteiro. Ninguém sabe ao certo. Ainda assim, por ser depositário das nossas sensações e experiências, o espírito responde pelas nossas propensões, nosso grau de inteligência e o nosso livre-arbítrio.”

Clique aqui e saiba mais

O Desbravador
Uma Aventura Extraordinária

O Desbravador

O Desbravador revela os bastidores da extraordinária Era dos Descobrimentos e dos primeiros anos da colonização do Brasil. Tempos heroicos, quando, em busca de vida melhor no Novo Mundo, os europeus se metiam em embarcações de madeira, movidas a vento, para atravessar oceanos, desafiando as leis da prudência e os caprichos da Mãe Natureza. Bem o caso de Duarte Coelho, por exemplo, que fez de Pernambuco a única capitania hereditária brasileira a obter êxito.

Clique aqui e saiba mais

O Desejado
A Fascinante História de Dom Sebastião


Clique aqui e saiba mais



Coroado rei aos três anos de idade, Dom Sebastião é uma dessas figuras que, tal como César, Napoleão ou mais recentemente Hitler e Churchill, para o bem ou para o mal, mudaram o curso da História. E Dom Sebastião viveu apenas 24 anos! Desaparecido em batalha, numa Cruzada contra os mouros do Marrocos, acabou virando lenda. Neste romance épico, descubra segredos reais escondidos por quase 500 anos, que transformaram a vida de todo um povo.

Rigoletto
Cuidado! Serial killer a bordo

Rigoletto
Clique aqui e saiba mais



Com os originais concluído no 1º semestre de 2012, antes do início do julgamento do Mensalão (a 2 de agosto de 2012), este romance histórico contemporâneo - em ritmo de thriller - é quase premonitório dos crimes políticos que, ainda no decorrer da Operação Lava-Jato, estarrecem o Brasil. Estão quase todos lá. O Chefão (advinha quem é?), Number Two (o “guerreiro do povo brasileiro”), o japonês do Instituto, um empreiteiro... Tem até um juiz sério e durão.

Maio de 2012. Ao final da temporada brasileira, o navio Rigoletto parte de regresso à Europa. Lotado.

Pouco depois do último porto de escala no Brasil, estranhas e discretas mortes começam a acontecer a bordo.

O comandante holandês e os oficiais não sabem mais o que fazer, para manter o sigilo e desvendar o mistério.

O navio já está no meio do Atlântico. A mortandade continua.

As pistas não levam a nada, até surgirem indícios de que o mandante dos crimes talvez sejam poderosos políticos brasileiros.

Com texto envolvente, cenas realistas e às vezes picantes, Rigoletto é uma aventura que dosa, na medida certa, suspense, política e humor. E com o tempero adicional de revelar os bastidores de um navio de cruzeiros e o dia a dia da tripulação de diferentes nacionalidades.

Invasão à Bahia



Clique aqui e saiba mais

Ao amanhecer do dia 9 de maio de 1624, uma frota de 27 navios da WIC – Companhia das Índias Ocidentais, invadiu a Baía de Todos os Santos. Traziam 500 canhões e 3.100 homens, quase todos mercenários. O que queriam eles? O que levou os holandeses a virem de tão longe para se apossar da pachorrenta Salvador?

Naquele tempo, a Espanha era o país mais poderoso do mundo. Enriquecidos com o ouro do México e a prata do Peru, os espanhóis reinavam sobre Portugal, Sicília, Sardenha, Nápoles, Milão, parte da França e também sobre os Países Baixos, a região mais desenvolvida da Europa.

Desde 1581, porém, no mesmo ano em que Felipe Segundo de Espanha se fez coroar rei de Portugal, sete províncias dos Países Baixos, lideradas pela Holanda, gritaram independência e se proclamaram uma república. Com isso, deram início a uma guerra contra a Espanha que se arrastaria por quase 80 anos. E como o Brasil era colônia de Portugal...

Jornada dos Vassalos



Clique aqui e saiba mais

O que aconteceu depois da batalha e da tomada de Salvador pelos holandeses? Brilharam nomes como o de Diogo de Mendonça Furtado, o deposto governador português do Brasil; o do jovem Padre Vieira; o de holandeses, como o almirante Piet Hyen e o major Allert Schouten; e, em especial, o de Van Dorth, o galante moço nomeado pelo Príncipe de Orange, governador do Brasil Holandês.

Nesta continuação do consagrado Invasão à Bahia, você vai conhecer cidades e a organização social holandesa, entrar nos bastidores dos palácios reais da Espanha, no castelo de Dias d’Ávila na Bahia, em naus e caravelas, e se transportar para um período tão fascinante quanto turbulento da História. E vai se divertir com o tragicômico choque religioso e cultural entre baianos e holandeses, sob governo de Johan van Dorth. Um homem culto, bem-apessoado e romântico, que acabou por mudar a história do Brasil.

Invasão à Pernambuco



Clique aqui e saiba mais

Tornar-se independente do Império Espanhol não estava sendo fácil para a Holanda. A guerra durava 47 anos. Entretanto, distante da Europa, em pleno Mar do Caribe, um golpe de sorte, aliado à ousadia e à coragem de um corsário holandês, virou o jogo.

Agora, a Companhia das Índias Ocidentais - WIC "nadava em dinheiro". Decidiu-se voltar a invadir o Brasil, desta vez tomando Pernambuco, que eles chamavam Zuikerland, ou "Terra do Açúcar". O diário - verídico - de um jovem mercenário alemão, a serviço da WIC no Brasil, detalha os bastidores da grandiosa operação.



Cenário da captura da Frota Espanhola de 1628, por Piet Heyn, um dos personagens da trilogia: Epopeia Holandesa no Brasil


O Fundador
Uma visão divertida dos primeiros anos do Brasil



O ano era 1549. Fazia, portanto, menos de cinco décadas desde que o Brasil fora oficialmente descoberto. Com os olhos voltados para as Índias, a Coroa portuguesa não dava grande importância às então chamadas Terras de Santa Cruz. Verdade que tentaram colonizá-la nos moldes adotados nos arquipélagos da Madeira e dos Açores: Capitanias Hereditárias. Entretanto, com exceção da Capitania de Pernambuco e, em ponto menor, a Capitania de São Vicente (hoje São Paulo), todas as demais haviam fracassado. Meio que terra sem dono, os franceses ameaçavam se apossar do Brasil. Só então a Coroa decidiu tomar providências.

Clique aqui e saiba mais

Obras em Inglês

The Heretics in The New World


A historical novel that paints a fresh and vivid picture of one of the world's first multinational corporation in the early decades of the 17th century.



Rigoletto The Novel


After losing his wife and daughter in a robbery, a lone judge embarks on the cruise ship Rigoletto, where he meets an attractive, temperamental journalist. Both become involved with the Dutch captain as he tries to unravel the mystery of the strange deaths that are occurring during the long transatlantic voyage.

The clues lead to confusing conclusions, and everything becomes more complicated as evidence of the involvement of powerful Brazilian politicians comes to light.

Vigorously written, and full of dramatic and spicy scenes, Rigoletto is an adventure with a great deal of suspense and humour, which also offers vignettes of a cruise ship and its multinational crew. A real page-turner right to the very end.



Diamonds Are Forgiving


During the era of slavery in Brazil, the libertine son of a plantation owner is coerced by his father into marrying his half-sister. Some years later he dies and discovers that life continues after death.



Van Dorth
And The Journey Of The Vassals


The story of a handsome Dutch governor who changed the destiny of Brazil, the Spanish- Portuguese expedition to try to recapture the Dutch-occupied city of Salvador da Bahia, and a star-crossed romance.

Zuikerland - The Return Of The Heretics


The war of independence between the Netherlands and Spain continues. On a new dispute for the “Sugar Land”, the Dutch venture on a new and prodigious invasion of Brazil in 1630.

Lançamentos em Portugal

O Fundador


Nova versão Portugal 2015


3ª Edição - Portugal 2004


O Desejado
Nova Edição em Portugal, 2015

Abaixo, dois volumes da coleção "Portugueses que Fizeram História".
Aydano Roriz foi o único autor, não português, com obra incluída nessa coletânea.

O Desejado
(1ª página do jornal português o Público, 21 de outubro de 2015)
O Desejado
Portugal 2004

Nova Lusitania



Portugal 2007

Os Diamantes Não São Eternos


Portugal 2008


Resumo em Alemão

Die Ketzer In Der Neuen Welt





Obras Esgotadas



O Fundador (2003, Ediouro)


O Livro dos Hereges (Ediouro)


Van Dorth (Ediouro)




Nova Lusitania (2008)


A Guerra dos Hereges (2010)


Os Diamantes Não São Eternos (2010)